PT // EN // ES      

COMUNICAÇÕES

OLI lança WC integrado e móvel

A OLI volta a surpreender o mercado com mais uma inovação: um WC integrado e modular, facilmente montável e desmontável em qualquer espaço, que dispensa a realização de obras. A apresentação pública do MoBaK (Modular Bathroom Kit) será esta quarta-feira, dia 28, às 18h, na Ordem dos Arquitetos, Sede da Secção Regional do Norte, no Porto.

O MoBaK inspirou-se nas tendências de consumo, em que a simplificação e “do it yourself” são aspetos valorizados pelos consumidores, sobretudo nas experiências de reabilitação e renovação de edifícios. Esta solução, altamente industrializada, reúne as três áreas do WC – lavatório, sanitário e base de duche -, sem necessidade de realizar obras e proporcionando elevados níveis de sustentabilidade, funcionalidade e conforto.

“Atualmente, as soluções tradicionais disponíveis no mercado que viabilizam transformar espaços em WC, preconizam a realização de obras profundas, demoradas e que requerem competências muito específicas na área. Este produto, altamente industrializado, permite que, num espaço com determinados requisitos, seja possível instalar um WC, num curto espaço de tempo, com facilidade, sem necessidade de grandes obras”, explica Andreia Costa, responsável de Inovação da OLI.

O projeto MoBaK, desenvolvido ao longo de três anos, resulta de um consórcio liderado pela OLI, em que participou a Universidade de Aveiro e a ITALBOX, empresa de referência na conceção e fabrico de divisórias e resguardos de banho, tendo sido financiado pelo Compete 2020.


APRESENTAÇÃO PÚBLICA MOBAK
28 novembro 2018
18h - OASRN I Porto


PROGRAMA

17h - Interesse da OLI no projeto
António Oliveira, Presidente da OLI

17h15 - O desenvolvimento da solução
José Leite, Arquiteto, Lislei

17h30 - O projeto e a participação da UA
Inês Meireles, Investigadora da Universidade de Aveiro

17h45 - Potencial mercado para o produto
Andreia Costa, Innovation Management, OLI

18h - Encerramento

Sobre a OLI:
A OLI, a maior produtora de autoclismos da Europa do Sul, encontra-se sediada em Aveiro. Exporta 80% da produção para 80 países dos cinco continentes. Em 2017, registou um volume de negócios de 54 milhões de euros. A empresa integra 389 colaboradores em Portugal. A fábrica trabalha ininterruptamente 24 horas por dia, sete dias por semana, e tem uma produção semanal de 44 mil autoclismos e 64 mil mecanismos. É a única empresa portuguesa a produzir autoclismos interiores.

Ler mais

Construção para a Saúde

A InovaDomus - Associação para o Desenvolvimento da Casa do Futuro - apresentará publicamente o novo projeto “Construção para a Saúde”, esta quarta-feira, dia 28, às 15h, na Ordem dos Arquitetos, Sede da Secção Regional do Norte, no Porto.

Com a indústria da saúde a constituir-se um dos motores da economia e a hospitalização domiciliária a tornar-se uma realidade, este projeto irá procurar e partilhar informação e conhecimento para uma construção mais saudável, que promova o bem-estar dos cidadãos dentro dos edifícios.
A InovaDomus irá conhecer as normas existentes internacionais que parametrizam a construção saudável, com o contributo de um conjunto de especialistas alargado - engenheiros civis, engenheiros informáticos, médicos, psicólogos, entre outros -, e a validação da Organização Mundial da Saúde, de modo a proceder à adaptação dessa parametrização à escala nacional e, eventualmente, europeia.
No final do projeto, as empresas do sector da construção e do imobiliário irão dispor de informação de como construir ou de como desenvolver soluções com um impacto positivo na saúde dos cidadãos, acrescentando valor ao setor e preparando os “players” para as exigências e oportunidades da indústria da saúde.
“Os desafios da construção para a saúde são complexos: por um lado a construção está associada a estratégias de custo, ao invés da diferenciação; por outro, as pessoas passam cerca de 90% do seu tempo no interior de edifícios, quer seja em suas casas quer seja no local de trabalho; e por outro lado, ainda, estão a viver cada vez mais tempo, conduzindo a que cada vez mais idosos vivam sozinhos e em lares”, explica António Oliveira, Presidente da InovaDomus.

“A InovaDomus considera importante criar um movimento para uma construção e habitação saudável, como fator valorizador do produto, e que conduza ao descortinar de soluções que permitam um impacto positivo na saúde dos indivíduos dentro dos edifícios, sendo o projeto ‘Construção para a Saúde’ o primeiro passo para atingir este objetivo”.

Construção para a Saúde
28 novembro 2018
15h-17h I OASRN I Porto

PROGRAMA

15h - Receção

15h15 - “A InovaDomus e a sua motivação para o projeto”
António Oliveira, Presidente da InovaDomus

15h30 - “O projeto e a participação da UA
Ana Velosa, Pró-Reitora da Universidade de Aveiro

15h50 - “A ciência pode construir a interação perfeita entre os edifícios e a saúde humana - uma abordagem centrada no ser humano”
Hugo de Almeida, Diretor do Consumer NeuroScience LAB da Universidade de Aveiro

16h10 - “O possível impacto do projeto no mercado da construção”
Eduardo Leite, Administrador da CARI Construtores, Grupo DST

16h30 - Encerramento
João Correia Neves, Secretário de Estado da Economia

16h45 - Porto de Honra

As inscrições são gratuitas e devem ser efetuadas previamente aqui.
Sobre a InovaDomus: A InovaDomus - Associação para o Desenvolvimento da Casa do Futuro é uma rede que promove a cooperação universidade-indústria e incentiva as empresas a desenvolverem inovações para o setor do habitat ao nível conceptual, científico e tecnológico. Criada em 2002, a InovaDomus é uma Associação sem fins lucrativos constituída por 10 associados: Universidade de Aveiro, Efapel, Extrusal, Iberfibran, OLI, Rederia, Revigrés, Saint-Gobain Weber, TEKA e Umbelino Monteiro.

Ler mais

Economia de mercado ou economia de captura?

João Paulo Batalha, Presidente da Transparência e Integridade, é o orador convidado do seminário “Economia de mercado ou economia da captura? Corrupção e crescimento em Portugal”, no dia 30 de novembro, às 11h, na Sala de Atos.

“Mais de sete anos após o início do programa de resgate da Troika, Portugal continua estagnado no Índice Global de Competitividade do Fórum Económico Mundial. A falta de atratividade do país ao investimento estrangeiro está a par com a estagnação registada no Índice de Corrupção Percecionada da Transparency International”, alerta o presidente desta associação cívica.

Neste seminário, será analisada “a relação entre corrupção e desenvolvimento económico e como o Orçamento Geral do Estado continua a privilegiar os interesses de grandes grupos de poder, em detrimento do desenvolvimento sustentado do país assente numa economia de mercado competitiva e num Estado de Direito responsivo e eficaz”, adianta João Paulo Batalha.

A participação é livre, mediante a inscrição prévia através do endereço de correio eletrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Ler mais